A Ciência Médica e o Espírito de Profecia

0_ellenwhite_00jcjcConclui um pequeno livreto chamado “A Ciência Médica e o Espírito de Profecia”, compilado em 1973, trazendo comprovações da ciência médica, da época, que comprovam os escritos da irmã White. Abaixo, alguns temas citados no livreto e trechos.

“Quando se leem obras da Srª White como A Ciência do Bom Viver ou Conselhos Sobre o Regime Alimentar, fica-se impressionado pela correção de seus ensinos à luz da ciência nutricional moderna. Só se pode conjecturar quanto melhor a saúde poderia gozar, em geral, o americano, embora quase nada soubesse da ciência moderna, se tão- somente seguisse os ensinos da Srª White. – Review and Herald, 12-2-1959.” (p.7)

“Deus dá prova suficiente para a mente sincera crer.” [T5, 675] (p.8)

“Deus é o autor da ciência. As pesquisas científicas abrem ao espírito vasto campo de ideias e informações… A verdadeira ciência contribui com novas provas da sabedoria e do poder de Deus.” [CPPE, 383] (p.8)

“A Srª White teve apenas três anos de educação escolar, de modo que os conselhos que ela apresentou como princípios de vida melhor devem ser atribuídos à especial guia do Criador. A ‘visão sobre a reforma de saúde’, de 6 de junho de 1863, relacionada com drogas, regime alimentar e hábitos de vestir insalubres, é caso que vem a propósito. Essa visão foi publicada no meado de 1860 em: An Appeal to Mothers; Spiritual Gifts, Vol.4; Health, or How to Live, nº 1-6; e Testimonies for the Church. Visões subsequentes levaram Ellen G White a ampliar esses primeiros escritos sobre saúde, em Christian Temperance and Bible Hygiene (1890) e nos conhecidos livros A Ciência do Bom Viver, Conselhos Sobre o Regime Alimentar, Educação etc.” (p.8)

“A Srª White não era uma estudada cientista. Ela escrevia sobre o assunto quando o Espírito do Senhor a levava a comunicar verdades importantes, necessárias à saúde espiritual, mental e física dos cristãos e do mundo em geral. Acentuando um ponto relativo à nutrição, em 1901, explicou ela, significativamente: ‘Os por quês e para quês disto eu não sei, mas dou-vos as instruções como me foram dadas.’ – Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág.344.” (p.8 e 9)

[Abaixo alguns pontos tratados no livreto, os compiladores comparam as citações citadas com testemunhos de revistas científicas da época.]

  • Poluição de nossa atmosfera e da Terra – TS3, 113; CBV, 365; ME2, 52; VC, 29.
  • Efeitos benéficos da luz do Sol – ME2, 462; CBV, 274, 276.
  • Regime defeituoso e pobreza de intelecto – LA, 252; Te, 150; TS2, 492.
  • Café, chá e doenças inexplicáveis – CBV, 326.
  • Gorduras e doenças no coração e dos vasos do sangue – T2, 61; CRA, 393, 394;

“Tanto o sangue como a gordura de animais são consumidos como uma iguaria. Mas o Senhor deu instruções especiais quanto a não deverem eles ser comidos. Por quê? Porque seu uso ocasionaria uma enorme corrente sanguínea enferma no organismo humano. A desconsideração das direções especiais do Senhor tem trazido uma porção de dificuldades e doenças aos seres humanos… Se eles introduzirem no próprio organismo aquilo que não pode formar carne e sangue de boa qualidade, têm de suportar os resultados de seu menosprezo à Palavra de Deus.” [CRA, 393/394]  

  • Açúcar e doenças – CSa, 154; CBV, 301, 302

“O livre uso de açúcar em qualquer forma tende a obstruir o organismo, e não raro é causa de doença.” [CSa, 154]  

“Bolos, pudins, pastelarias, geleias, doces, são causa ativa de má digestão. Especialmente nocivos são os cremes e pudins em que o leite, ovos e açúcar são os principais elementos. Deve-se evitar o uso abundante de leite e açúcar juntos.” [CBV, 301/302]  

  • Exercício e circulação do sangue – CBV, 238; T3, 78; T2, 529.

“A inatividade é causa prolífera de moléstias. O exercício aviva e equilibra a circulação do sangue, mas na ociosidade o sangue não circula livremente, e não ocorre, as mudanças que nele se operam, e são tão necessárias à vida e à saúde. Também a pele se torna inativa.” [CBV, 238]  

“Não existe exercício capaz de substituir a marcha. Por ela é muito melhorada a circulação do sangue.” [T3, 78]  

  • Uma sesta ou uma caminhada após as refeições? – CSa, 565 e 566; CRA, 103 e 104.

“O Espírito de Profecia preconiza o exercício moderado, após as refeições. Recomenda um passeio leve.” (p.25)

“O exercício ajuda ao dispéptico, dando aos órgãos digestivos um tônus saudável. Empenhar-se em estudo profundo ou exercício violento imediatamente após a refeição, perturba o processo digestivo, pois a vitalidade do organismo, necessária para promover o trabalho da digestão, é desviada para outras partes. Mas uma breve caminhada após a refeição, com a cabeça ereta e os ombros para trás, num exercício moderado, é grandemente benéfica.” [CRA, 103 e 104]

  • Uso do sal – CRA, 344; CBV, 305.

“Não useis sal em quantidade.” [CBV, 305]

  • Câncer e suas causas – CBV, 313; T3, 563; T9, 159; CRA, 267; ME2, 447 e 449; OC, 444 e 445
  • Fumo – CBV, 327 e 328

“O fumo é um veneno da mais enganosa e maligna espécie, tendo efeito excitante, depois paralisante, sobre os nervos do corpo.” [Te, 59]  

“O fumo é um veneno lento, insidioso, mas por demais maligno.” [CBV, 327, 328]

  • O álcool, o cérebro e a vida – Te, 59; CBV, 344; Te, 278.

“O uso da bebida espirituosa ou do fumo destrói os nervos sensitivos do cérebro, e embota as sensibilidades.” [Te, 59]

“O homem que formou o hábito de usar intoxicantes, encontra-se em situação desesperada. Tem o cérebro enfermo, enfraquecido o poder da vontade. No que respeita a qualquer poder de sua parte, é incontrolável o apetite da bebida para ele. Não se pode raciocinar com ele nem persuadi-lo à renúncia.” [CBV, 344]

“O beber imoderado é a escola em que homens se educam para a carreira do ébrio.” [Te, 278]

  • Drogas e defeitos de nascença – ME2, 442; PP, 561

“Como resultado da intemperança paterna, as crianças muitas vezes têm falta de força física, e de capacidade mental e moral.” [PP, 561]

  • Atividades físicas para doentes e convalescentes – T1, 555; T2, 529.

“… me foi mostrado que aos doentes deve ser ensinado que é errado suspender todo o trabalho físico para recuperar a saúde. … suspender a atividade para reaver a saúde, é grande erro.” [T1, 555]

“Amarrem o braço e deixem que ele fique sem ser usado, mesmo por algumas semanas, e livrem-no então de sua prisão, e descobrirão que estará mais fraco do que aquele que foi usado moderadamente durante o mesmo tempo. A inatividade produz o mesmo efeito sobre o sistema muscular todo.” [T2, 529]

  • Hipnose e clínica médica – ME2, 349 e 350

“Separai de vós tudo quanto tem sabor de hipnotismo, a ciência pela qual operam os instrumentos satânicos.” [ME2, 349, 350]

“Não devemos intrometer-nos com o mesmerismo e o hipnotismo – a ciência daquele que perder seu primeiro estado, e foi expulso das cortes celestiais.” [Medical Ministry, 110 e 111]

  • Relação entre a mente e o corpo – T1, 566; T3, 184; CBV, 241.

“O que traz doença ao corpo e à mente de quase todos, são os sentimentos de descontentamento, e as murmurações de quem está mal satisfeito.” [T1, 566]

“Poucos, porém, reconhecem o poder que a mente tem sobre o corpo. Grande parte das doenças que afligem a humanidade tem sua origem na mente e só podem ser curadas pela recuperação da saúde por parte da mente.” [T3, 184]

“Muito íntima é a relação que existe entre a mente e o corpo. Quando um é afetado, o outro se resente. O estado da mente atua muito mais na saúde do que muitos julgam… Desgosto, ansiedade, descontentamento, remorso, culpa, desconfiança, todos tendem a consumir as forças vitais, e a convidar a decadência e a morte.

“A doença é às vezes produzida, e com frequência grandemente agravada, pela imaginação. Muitos que atravessam a vida como inválidos, poderiam ser sãos, se tão-somente assim o pensassem. … Muitos morrem de doença de origem inteiramente imaginária. … No tratamento do enfermo não se deve esquecer o efeito da influência mental. Devidamente usada, essa influência proporciona um dos mais eficazes meios de combater a moléstia.” [CBV, 241]

  • Correntes elétricas no cérebro e no sistema nervoso – T2, 347; T3, 157.
  • Precauções com os raios X – 204, ME2, 303.
  • Influência pré-natal – ME2, 431; CBV, 372, 373; LA, 257.

“O bem-estar da criança será afetado pelos hábitos da mãe.” [CBV, 372]

  • Primeiros anos da vida infantil – OC, 193; CPPE, 132; OC, 194.
  • Quando a criança está preparada para a escola? – T3, 137.

 

Celular antes de dormir afeta sono, hormônios e desenvolvimento infantil

 
Crianças começam cedo a usar a internet em celulares e outros aparelhos (Foto: Reprodução/EPTV)
Crianças começam cedo a usar a internet em celulares e outros aparelhos (Foto: Reprodução/EPTV)

Crianças que têm acesso a eletrônicos, como celulares e tablets, na hora de dormir, estão sujeitas a desenvolver uma série de problemas de comportamento e de saúde.

Uma pesquisa do King’s College, de Londres, reuniu dados de 125.198 crianças e adolescentes entre 6 e 19 anos de idade, em diversos países, e detectou efeitos negativos do uso do aparelho no período de descanso em diferentes graus de gravidade. Os pesquisadores verificaram de má qualidade do sono a doenças como obesidade e depressão infantil.

E não são só pesquisadores e pais que têm se preocupado com o assunto. Neste fim de semana, dois grandes grupos de investidores com US$ 2 bilhões em ações da Apple pediram, em carta aberta, que a empresa desenvolva softwares que limitem o uso de smartphones por crianças. Os acionistas citam justamente estudos mostrando o impacto negativo do celular e das redes sociais em excesso na saúde física e mental dos jovensa para justificar o apelo. A Apple ainda não respondeu a eles.

Impactos

O modo como os jovens têm usado a tecnologia têm sido diversos e cada vez mais intenso, segundo o estudo do King’s College. E, para cada uso, há variados impactos gerados na vida deles.

A médica Roberta Magalhães, no Rio de Janeiro, quase todos os dias precisa chamar a atenção da filha Roberta, de 9 anos, para desligar o celular na hora de dormir.

“Com certeza atrapalha. Ela fica horas navegando na internet, no Instagram, WhatsApp, Musical.ly, assistindo vídeos no YouTube. Depois demora a dormir. Fica rolando na cama“, conta.

Roberta diz ainda não ter observado impactos negativos na rotina, mas observa atentamente: “Se interferir, tiramos o celular na hora.”

Na casa da professora carioca Rovana Machado, a situação na hora de dormir não é diferente com o filho Theo, de 14 anos. “Ele fica fissurado olhando a tela. Acho que atrapalha bastante e, quando vejo, mando desligar, mas adolescente é fogo. Fazem as coisas escondidos e temos que repetir mil vezes.”

Além dos efeitos sobre o sono e a propensão a desenvolver doenças, os pesquisadores mostraram que deixar o celular ou o tablet no quarto das crianças, mesmo que eles não os utilizem, também afeta o período de descanso. A mera expectativa de receber mensagens nas mídias sociais deixava as crianças e adolescentes em estado de alerta.

 
Os riscos para crianças do uso do celular antes de dormir (Foto: BBC)
Os riscos para crianças do uso do celular antes de dormir (Foto: BBC)

“Esse tipo de estudo endossa o que as pessoas de bom senso já sabiam. Os eletrônicos dão uma sossegada nas crianças por um tempinho mas, no médio e longo prazo, são muito ruins para o organismo“, observa o neurologista Leonardo Ierardi Goulart, médico especialista em doença do sono do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde também recebe crianças e adolescentes com problemas de sono e relatos de uso de eletrônicos à noite.

O estudo do King’s College observa que o distúrbio do sono na infância é conhecido por causar danos à saúde mental e física. Isso incluiria obesidade, queda do sistema imunológico, crescimento atrofiado e problemas mentais como depressão e tendência suicida.

Em 2016, um estudo da Sociedade Real para Saúde Pública (RSPH, na sigla em inglês), na Grã-Bretanha, foi além e alertou que dormir pouco ou mal é um dos fatores que levariam a doenças graves como câncer e ataques cardíacos.

 

A importância do sono

Para a neurologista Anna Karla Smith, do Instituto do Sono, de São Paulo, o descanso é tão importante para o desenvolvimento e bem-estar da criança quanto a nutrição e a atividade física.

“O sono é um estado em que há uma série de processamentos, onde há a fabricação de alguns hormônios muito importantes para o corpo”, comenta a médica à BBC Brasil.

“Nas crianças existe o GH, o hormônio do crescimento, essencial para o desenvolvimento do corpo. Esse hormônio é liberado durante o sono profundo que a criança entra poucos minutos depois de adormecer. Nessa fase há o pico de sua fabricação.”

A neurologista explica que se a criança vai dormir tarde, por exemplo, os hormônios ainda serão liberados, mas de maneira antifisiológica. “Ela está indo contra a sua natureza. A quantidade de hormônio do crescimento produzida pode ser pouca ou até inexistente em casos extremos se houver patologia. A própria distribuição do hormônio do crescimento estará alterada ao longo do dia”, explica a especialista.

A liberação de outros hormônios também é prejudicada, segundo a médica, já que em diferentes etapas do sono há a produção da leptina (hormônio da saciedade), do cortisol (que ajuda a manter estabilidade emocional, controla inflamações e alergias) e do TSH (estimulador da tireóide).

Como o uso de eletrônicos atrapalha?

O uso de eletrônicos atrapalha o sono, em primeiro lugar, porque o simples fato de ligar o celular ou tablet para brincar com um jogo faz com que a criança, por exemplo, atrase sua hora de ir para cama e durma menos.

Em segundo lugar, diz o estudo da King´s College, o conteúdo pode ser muito estimulante – e gerar uma excitação que atrase o início do relaxamento.

Em terceiro lugar, a forte luz emitida pelas telas dos dispositivos gera um impacto no corpo, afetando o relógio biológico e a percepção do cérebro do que é noite ou dia.

 

A chamada “luz azul” já foi alvo de diversos estudos nos últimos anos. O mais recente, da Universidade de Haifa, em Israel, constatou que a luz azul, presente nas telas de celulares, tablets e computadores, inibe a secreção da melatonina, o hormônio que avisa o nosso corpo que está na hora de dormir.

O organismo também não ativa seu mecanismo natural que reduz a temperatura corporal. O normal é que a temperatura do corpo caia durante a madrugada e volte a subir quando estamos prestes a despertar. Isso, contudo, não ocorre se o cérebro recebe a mensagem que ainda estamos em estado de vigília.

O estímulo biológico para o sono fica prejudicado pela luminosidade. Porém o problema não é só a luz, mas também pensar em um monte de coisas, condicionando o momento do sono com a execução de tarefas sociais. Talvez isso atrapalhe mais do que a luz”, observa o neurologista Goulart.

Luz azul x luz vermelha

A luz branca azulada emitida pelas telas de dispositivos eletrônicos prejudica a duração e, principalmente, a qualidade de sono – ao contrário da luz branca avermelhada que não causa interferência no organismo.

Esta é a conclusão de uma pesquisa realizada pela Universidade de Haifa, em Israel, e pela Clínica do Sono Assuta. Pela primeira vez, foi feito um estudo comparativo entre os dois tipos de luminosidade. Para isso, foram usados filtros que bloqueavam a luz azul e depois a vermelha.

“A luz emitida pela maioria das telas é azul e danifica os ciclos do corpo e nosso sono”, explica o professor Abraham Haim, um dos autores da pesquisa. Embora o olho humano não consiga identificar todos os espectros da luminosidade nas telas, o cérebro capta o tom azulado.

A neurologista Anna Karla Smith, do Instituto do Sono, de São Paulo, diz que levantamentos como esse comprovam que a exposição à luz azul suprime a produção de melatonina, o hormônio que avisa o nosso organismo que está na hora de dormir.

Quanto mais próximo aos olhos, pior. Recebemos mais luminosidade o que desregula o nosso ritmo circadiano, de sono e vigília“, explica à BBC Brasil a neurologista, cujos pacientes, em sua maioria, relatam usar eletrônicos na cama.

Prejuízos

De acordo com a neurologista, no curto prazo, os “prejuízos, às vezes, não são perceptíveis”. Mas a falta de sono “pode interferir no rendimento cognitivo porque o processamento de memória, que ocorre na segunda metade da noite, provavelmente não aconteceu ou não aconteceu de maneira satisfatória“.

“Em curto prazo, pode afetar a consolidação de informações recém-aprendidas porque vai ter um sono mais superficial, mais fragmentado e não reparador“, afirma Leonardo Ierardi Goulart, médico especialista em doença do sono do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Ele explica que as atividades cerebrais que assimilam os conhecimentos adquiridos durante uma aula, por exemplo, ocorrem durante o sono profundo. É nesse momento que o cérebro processa, revisa e armazena a memória.

Em longo prazo, porém, os riscos são maiores. “Não é uma insônia, de dois, três, seis meses”, destaca Anna.

No longo prazo, ela explica, há uma “bagunça de hormônios” que controlam, por exemplo, a saciedade. Se não produz esse hormônio, a leptina, cuja liberação ocorre ao longo da noite e no início da manhã, o indivíduo vai comer mais, podendo ficar obeso e diabético.

Problema é mais sério no longo prazo

Mas é no longo prazo que as consequências se tornam mais sérias. “Pode gerar insônia. A pessoa fica condicionada àquele ambiente de alerta e daí, mesmo que ela vá para cama sem celular ou iPad, o cérebro acha que aquele é um lugar de vigília e não de descanso“, diz Goulart.

Indivíduos que têm ciclos de sono distorcidos, que ficam acordados de madrugada e acordam à tarde, por exemplo, possuem imunidade baixa, segundo a neurologista Ana Karla Smith. “Há estudos que relacionaram mulheres que trabalham em turnos à noite com maior incidência de câncer de mama“, conta a médica.

Em quadros mais graves de distúrbios do sono, o desequilíbrio hormonal é ainda maior o que, consequentemente, leva a quadros de saúde mais graves como doença cardiovascular, AVC, obesidade, depressão, entre outras.

Cansaço e mau humor

Na pesquisa da Universidade de Haifa, 19 voluntários, entre 20 e 29 anos, participaram sem saber qual era o objetivo do estudo. Na primeira fase, durante uma semana eles usaram um actígrafo, pequeno aparelho que possibilita obter informações sobre os horários em que uma pessoa dormiu e acordou. Em um diário eram registrados os hábitos e qualidade de sono.

Na segunda parte, realizada no laboratório da Clínica de Sono Assuta, os voluntários foram expostos a telas de computadores das 21h até 23h – horário em que a glândula pineal começa a produzir e expelir a melatonina.

Os participantes ficaram em contato com quatro tipos de luz: luz azul de alta intensidade, luz azul de baixa intensidade, luz vermelha de alta intensidade e luz vermelha de baixa intensidade.

Eles foram conectados a instrumentos que medem as ondas cerebrais e podem determinar os estágios de sono de uma pessoa durante a noite, incluindo quando despertam sem notar.

Na manhã seguinte, os voluntários completaram questionários sobre como se sentiam.

Em média, a exposição à luz azul reduziu a duração do sono em aproximadamente 16 minutos. Essa mesma luz também diminuiu de forma significativa a produção de melatonina, enquanto que, com a luz vermelha, a produção do hormônio ficou em um nível normal.

Danos

Os pesquisadores explicam que os danos na produção de melatonina refletem no relógio biológico do corpo humano. Foi evidenciado, por exemplo, que a exposição à luz azul não deixa o organismo ativar o mecanismo natural que reduz a temperatura corporal.

“Naturalmente, quando o corpo começa a adormecer reduz sua temperatura, alcançando seu menor nível por volta das quatro horas da madrugada. Quando o corpo volta para sua temperatura normal, acordamos”, explica Haim.

“Depois da exposição à luz vermelha, o corpo continuou a se comportar normalmente, mas exposto à luz azul ele manteve sua temperatura normal à noite – o que evidencia danos ao nosso relógio biológico.”

Foi ainda observado que com a luz vermelha em ambas intensidades as pessoas acordaram, em média, 4,5 vezes. Na luz azul de baixa intensidade, foram 6,7 vezes, enquanto que, na alta intensidade, foram 7,6 vezes que despertaram.

No dia seguinte, os voluntários relataram terem sentido mais cansaço e mau humor após a exposição à luz azul.

Como proteger os olhos: lentes especiais, aplicativos e até vitamina

Para combater a luz azul, já foram lançados óculos com lentes especiais e aplicativos eletrônicos que alteram a cor da luz das telas. Na Austrália, a empresa Caruso’s Natural Health lançou até uma vitamina que diz proteger os olhos da luz azul.

A eficácia, no entanto, não foi comprovada cientificamente.

(Bem Estar)

“Deus destinou a noite para o sono.” {Filhas de Deus, 141}

“Ar puro, luz solar, abstinência, repouso, exercício, regime conveniente, uso de água e confiança no poder divino — eis os verdadeiros remédios.” {A Ciência do Bom Viver, 127}

“Horas irregulares das refeições e do sono esgotam as forças do cérebro.” {Mente, Caráter e Personalidade, vol.2, 388}

“Ao regular as horas do sono, não se deve proceder com descuido. Os estudantes não devem adquirir o hábito de permanecer em pé até à meia-noite, e tomar as horas do dia para o sono. Se se acostumaram a fazer isto em casa, devem corrigir o hábito, deitando-se à hora devida. Levantar-se-ão então pela manhã descansados para os deveres do dia. Em nossas escolas as luzes devem ser apagadas às vinte e uma e meia horas.” {Conselhos aos Pais, Professores e Estudantes, 297}

“É preciso revelar cuidado no que respeita à regularidade das horas de sono e de trabalho. Precisamos ter períodos de descanso, de recreação e de contemplação. Os princípios de temperança têm mais vasto alcance do que muitos pensam.” {O Lar Adventista, 494}

O que as pessoas comem nas regiões com as expectativas de vida mais altas do mundo?

Uma das coincidências nos alimentos é a ausência total de refrigerantes e produtos derivados do leite de vaca.

Gemüse

[Matéria do site Bem Estar, vinculado ao G1.com, cita os adventistas do sétimo dia da cidade de Loma Linda, Califórnia, EUA como protagonistas de uma “zona azul”, região do mundo onde apresentação altos índices de longevidade e qualidade de vida. Comentários entre colchetes são meus. IS.]

Qual é o segredo para uma vida longa? Essa pergunta desperta a curiosidade de cientistas e leigos.

Alimentar-se bem pode ser uma das respostas – se não para viver eternamente, ao menos para passar dos cem anos de idade.

E é justamente a alimentação que chama a atenção em cinco regiões do planeta onde a população atinge uma idade média superior a cem anos. [“A fim de manter a saúde, é necessária suficiente provisão de alimento bom e nutritivo.” (A Ciência do Bom Viver condensado, p.124)]

“O que descobrimos é que as pessoas nessas regiões não só vivem mais tempo – cerca de dez anos acima da média – mas vivem melhor a sua velhice”, disse à BBC o cientista americano Dan Buettner, que batizou essas cinco regiões de “zonas azuis”.

Em seu livro As Zonas Azuis, Buettner estudou os hábitos alimentares na ilha de Okinawa, no Japão, na cidade de Loma Linda, na Califórnia (EUA), na ilha de Ikaria, na Grécia, na Sardenha (Itália) e na península de Nicoya, na Costa Rica.

Mas de que se alimentam essas pessoas para ajudar em sua longevidade?

“A maioria dos alimentos que consomem vêm de plantas. Mas, acima de tudo, são alimentos não processados ​ou muito pouco processados“, disse Buettner, que contou ter partido da “bastante estabelecida” noção de que apenas 20% da nossa longevidade média pode ser atribuída à genética. “Os 80% restantes (se devem) ao estilo de vida e ao ambiente.”

Sem leite ou refrigerante

De acordo com Buettner e uma pesquisa que contou com o apoio da National Geographic, os três alimentos básicos são as folhas verdes (vegetais), oleaginosas e grãos. [“Cereais, frutas, nozes e verduras constituem o regime dietético escolhido por nosso Criador. Esses alimentos, preparados da maneira mais simples e natural possível, são os mais saudáveis e nutritivos. Proporcionam uma força, uma resistência e vigor intelectual que não são promovidos por uma alimentação mais complexa e estimulante.” (A Ciência do Bom Viver condensado, p.123)]

Mas existem muitas variações e complementos que dependem exclusivamente de cada região.

“Eles comem carboidratos, mas não processados como bolos ou donuts, mas sim grão de trigo ou batatas”, disse o pesquisador.

Uma das coincidências nas dietas é a ausência total de refrigerantes e produtos derivados do leite de vaca. [“O leite que se usa deve ser perfeitamente esterilizado; com esta precaução, há menos perigo de contrair doenças por seu uso. A manteiga é menos nociva quando comida no pão do que empregada na cozinha; mas, em regra, melhor é dispensá-la inteiramente. O queijo é ainda mais objetável; é totalmente impróprio como alimento.” (A Ciência do Bom Viver condensado, p.125)]

“Muitas dessas pessoas que conseguiram ter uma vida tão longa só conheceram os refrigerantes há cerca de dez anos. E comem queijo, mas os que vêm de cabra ou pecorino, de ovelhas”, disse ele.

Quando se trata de proteína, o peixe é rei. [“Em muitos lugares os peixes ficam tão contaminados com a sujeira de que se nutrem que se tornam causa de doenças. Isso se verifica especialmente onde o peixe está em contato com os esgotos de grandes cidades. Peixes que se alimentam dessas matérias podem passar a grande distâncias, sendo apanhados em lugares em que as águas são puras e boas. De modo que, ao serem usados como alimento, ocasionam doença e morte naqueles que nada suspeitam do perigo.” (A Ciência do Bom Viver condensado, p.132)]

“Eles consomem cerca de três porções de peixe por semana, a mesma frequência dos ovos. Mas comem pouca carne vermelha, cerca de cinco porções por mês”, disse Buettner. [“Os que se alimentam de carne não estão senão comendo cereais e verduras em segunda mão; pois o animal recebe destas coisas a nutrição que dá o crescimento.”; “A carne nunca foi o melhor alimento; seu uso agora é, todavia, duplamente objetável, visto as doenças nos animais estarem crescendo com tanta rapidez.”; “A comida de carne é prejudicial à saúde, e seja que for que afete ao corpo tem seu efeito correspondente na mente e na alma. Pensai na crueldade que o regime cárneo envolve para com os animais, e seus efeitos sobre os que a infligem e nos observam. Como isso destrói a ternura com que devemos considerar as criaturas de Deus!” (A Ciência do Bom Viver condensado, p.131, 132 e 133)]

“É o que eles têm ao seu alcance. Seu consumo se limita muito ao que eles são capazes de produzir localmente.”

E o que bebem?

Em 2013, perguntaram a Stamatis Moratis, um morador da ilha de Ikaria de 98 anos de idade, qual era o segredo para viver tanto.

E sua resposta não era peixe nem grãos ou vegetais. “É o vinho.”

O vinho que eu tomo é puro, nada é adicionado. O vinho produzido comercialmente têm conservantes, que não são bons”, disse ele na época à BBC. [“O vinho feito por Cristo da água, nas bodas de Caná, foi o puro suco da uva. Esse é o vinho novo que se ‘acha mosto em um cacho de uvas’, de que a Escritura diz: ‘Não o desperdices, pois há bênção nele’ (Is 65:8).” (A Ciência do Bom Viver condensado, p.142)]

De acordo com Buettner, as bebidas preferidas das pessoas dessas áreas são água e vinho. [“Na saúde e na doença, a água pura é uma das mais excelentes bênçãos do Céu. Foi a bebida provida por Deus para saciar a sede de homens e animais. Bebida abundantemente, ela ajuda a suprir as necessidades do organismo, e a natureza em resistir à doença.” (A Ciência do Bom Viver condensado, p.93]

“Tomam, em média, seis copos de água e muitos deles têm, dentro de suas culturas, o hábito de tomar umas três porções de vinho por semana”, detalhou.

Mas há uma outra surpresa: o café também tem lugar cativo.

“Vimos que em algumas destas zonas azuis o consumo de café é bastante comum, especialmente porque o consideram um potente antioxidante”, acrescentou o pesquisador. [“A ação do café, e de muitas outras bebidas populares, é idêntica (ao chá preto). O primeiro efeito é estimulante. São agitados os nervos do estômago, que comunicam irritação ao cérebro, o qual, por sua vez, desperta para transmitir aumento de atividade ao coração, e uma fugaz energia a todo o organismo. Esquece-se a fadiga; parece aumentar a força. Estimula o intelecto, torna-se mais viva a imaginação. (…) Chá e café não nutrem o organismo. Seu efeito produz-se antes de haver tempo para ser digerido ou assimilado, e o que parece força não passa de excitação nervosa. Uma vez dissipada a influência do estimulante, abate-se a força não natural, sendo o resultado um grau correspondente de abatimento e fraqueza.” (A Ciência do Bom Viver condensado, p.139); “Em alguns casos é tão difícil romper esse hábito do chá (preto) e do café como é para o ébrio abandonar a bebida intoxicante.” (Temperança, p.81)]

Influência dos processados

Uma das conclusões da pesquisa de Buettner é a péssima influência de alimentos processados ​​em dietas ao redor do mundo – algo que se expandiu pela influência dos EUA. A ponto de algumas das zonas azuis estarem perto de perderem tal “status” por força da incorporação de comidas processadas em suas dietas.

Ao mesmo tempo, é curioso que uma dessas zonas azuis esteja localizada precisamente nos Estados Unidos: Loma Linda, na Califórnia.

E talvez a resposta para a longevidade dali seja a religião.

Cerca de metade dos 24 mil habitantes desta cidade são membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia. E vivem dez anos a mais do que a maioria dos americanos. [Os adventistas do sétimo dia creem que Deus nos deu orientações específicas sobre a obra da reforma de saúde através do ministério profético da irmã Ellen G. White. Tipicamente, os adventistas se abstêm de bebidas alcoólicas, carnes imundas (Lv 11), estimulantes (como a cafeína) e incentivam fortemente a dieta vegetariana, o estilo de vida saudável e a confiança em Deus.]

“Acho que cheguei a esta idade (101 anos em 2015) porque não bebo ou fumo, vou para a cama cedo e agradeço a Deus por sua bondade”, disse Betty Streifling à BBC. [“Ar puro, luz solar, abstinência, repouso, exercício, regime conveniente, uso de água e confiança no poder divino – eis os verdadeiros remédios.” (A Ciência do Bom Viver condensado, p.42)]

Nesse sentido, Buettner diz que ninguém pode mudar seus hábitos alimentares da noite para o dia, mas sim o ambiente.

“É muito difícil tentar mudar a atitude das pessoas frente à comida, mas se em vez de se depararem com uma hamburgueria ou sorveteria a cada duas quadras elas tivessem a seu alcance lojas de alimentos saudáveis, certamente as taxas de longevidade aumentariam”, opinou.

“Além disso, nessas áreas azuis, a ideia de ‘alimentação saudável’, que para muitos é uma imposição, para eles é simplesmente ‘comer normalmente’, como têm feito há anos”, concluiu.

“O segredo é dedicar o tempo a preparar esses alimentos básicos que os humanos consomem há milhares de anos, torná-los saborosos – considerando que nosso paladar foi destruído pelo açúcar, pelo sal e pela gordura (dos alimentos processados).” [“Deve-se escolher o alimento que melhor proveja os elementos necessitados para a edificação do organismo. Nessa escolha, o apetite não é um guia seguro. Mediante hábitos errôneos de comer, o apetite se tornou pervertido. Muitas vezes exige alimento que prejudica a saúde e a enfraquece em lugar de fortalecê-la. Não nos podemos guiar com segurança pelos hábitos da sociedade.”; “As pessoas que se têm habituado a um regime muito condimentado, altamente estimulante, têm um gosto não natural, e logo não podem apreciar o alimento simples.”; “Cozinhar não é ciência desprezível, porém uma das mais essenciais na vida prática. (…) Fazer comida apetecível e ao mesmo tempo simples e nutritiva requer habilidade; pode no entanto ser feito. As cozinheiras devem saber preparar alimento de maneira simples e saudável, e de modo que seja mais apetecível e mais são, justo por causa de sua simplicidade.” (A Ciência do Bom Viver condensado, p.123, 124, 126)]

(Bem Estar)

Cardiologista perde quase 50 quilos com dieta recomendada por igreja

Ele pesquisou a saúde de 1,5 mil fiéis da Igreja Adventista do Sétimo Dia e descobriu: vegetarianos têm colesterol mais baixo e cintura mais fina.

E quando quem precisa mudar o estilo de vida é o próprio médico? O cardiologista Everton Padilha Gomes perdeu quase 50 quilos em um ano. Não foi nenhum milagre, foi uma ideia que ele foi buscar na igreja que frequenta: a Igreja Adventista do Sétimo Dia, que incentiva a adoção da alimentação vegetariana e a prática de exercícios físicos.

Uma pesquisa feita nos Estados Unidos mostrou que os fiéis da igreja viviam até dez anos mais que a média dos americanos. Everton resolveu então repetir a pesquisa em São Paulo com 1,5 mil fiéis da igreja, com idades entre 35 e 74 anos.

Eles foram divididos em três grupos: vegetarianos, vegetarianos que comem ovo e tomam leite e pessoas que comem carne. O grupo dos vegetarianos teve os melhores resultados: redução de 10% da medida da cintura e colesterol total 10% menor. Os índices que indicam uma maior predisposição ao diabetes e alterações prejudiciais nos vasos sanguíneos foram 20% menores.

“O mais importante é nós lembrarmos de aumentar o consumo de frutas, legumes e verduras dentro da nossa alimentação e fazer a dieta também adequada, e aquelas pessoas que sejam vegetarianas tenham uma dieta equilibrada”, diz o médico, coordenador da pesquisa Advento – Incor.

Everton sabe do que está falando. Apesar de ser adventista, ele não seguia a dieta recomendada pela igreja. Era um devorador de carnes e de muitos outros pratos. “Eu cheguei a 128 quilos. Era um obeso mórbido”, conta.

Era preciso mudar. “Eu tive de me reeducar, reaprender a comer, reaprender a dormir e reaprender também a gostar de fazer exercício”, diz.

(Globo Repórter)

Nota 1: As pedras estão clamando! O assunto saúde está se tornando cada vez mais popular. Não é a primeira vez que a Rede Globo trás matérias sobre o estilo de vida adventista (veja aqui) e esta matéria é mais um ótimo testemunho, remetendo ao nome da Igreja em um programa bastante popular, o Globo Repórter (apenas no Facebook, o programa possui mais de 4,8 milhões de seguidores). Que muitas pessoas sejam tocadas e se interessem por sua saúde e por Cristo! – IC

Nota 2: Alguém me falou que o cardiologista apresentou uma fisionomia afeminada pois se tornou vegetariano. Interessante que este “alguém” não conheceu o cardiologista antes de se tornar vegetariano (a matéria não mostra). Como este “alguém” pode afirmar isso? Qual a relação entre se tornar vegetariano e se tornar afeminado? Se fosse assim, vários homens gays seriam vegetarianos… Vi muitos comentários sobre a matéria no Facebook, Youtube, G1, porém não vi nenhum falando sobre a transformação do cardiologista, de homem másculo, para afeminado… Isso não passa de mais um crítico, motivado por antipatia pela Igreja Adventista do Sétimo Dia, querendo encontrar “pelo em ovo”… – IC

Nove dicas para conseguir acordar mais cedo e com disposição

Manter uma rotina de sono e diminuir o ritmo antes de dormir ajudam a despertar na hora certa

Sono

Pular da cama ou dormir mais um pouco? Para muita gente, o dilema é diário. Para o nosso corpo, muitas vezes a segunda opção é a escolhida, mesmo quando nosso cérebro sabe que temos que acordar cedo para trabalhar ou cumprir outras atividades. E quando finalmente o despertador é escutado, muitas pessoas começam o dia sem disposição, só pegando no tranco no fim da manhã ou começo da tarde.

Na maioria das vezes, a dificuldade para acordar bem disposto tem um grande culpado: a privação de sono. “Antes, no começo do século XX, dormíamos cerca de nove horas por noite, hoje a média é menor do que sete horas”, compara o pneumologista Geraldo Lorenzi Filho, coordenador da Residência Médica em Medicina do Sono do Incor e médico do Laboratório do Sono do Hospital Santa Cruz, em São Paulo.

Mas é claro que outros fatores também podem influenciar nisso. “Também existem aspectos genéticos, pessoas que têm tendência a acordar e dormir muito tarde ou muito cedo. Só que essa é uma porcentagem muito pequena da população”, frisa a pneumologista Sônia Togerio, pesquisadora do Instituto do Sono, da Unifesp, em São Paulo.

De qualquer forma, acordar com dívidas na conta de sono pode ser prejudicial ao rendimento e à saúde. “Isso causa problemas de memória, humor, falta de atenção e, é claro, sonolência”, ensina Sônia. Por isso pedimos aos especialistas algumas dicas para tornar essa tarefa muito mais fácil. A seguir, você confere as estratégias para conseguir acordar mais cedo e com o pique em alta.

1. Tenha horários constantes

O corpo pode não ser exato, mas ele é regido por um ciclo chamado circadiano, expressão que significa “cerca de um dia”. Isso porque o organismo organiza suas funções para que ocorram sempre em 24 horas mais ou menos, obedecendo a duração do dia. Esse é o tal do relógio biológico. Manter uma hora certa para dormir e acordar ajuda a regular um pouco mais esse nosso cronograma interno. “Ficar mexendo no nosso ciclo circadiano o desregula. Ao dormir mais tarde, você atrasa o relógio e volta a não conseguir acordar cedo”, esclarece o médico do sono Geraldo Lorenzi. É claro que não é preciso exagerar e ser sempre pontual, mas manter uma rotina faz parte da higiene do sono e ensina o corpo a ter uma frequência.

2. Use e abuse da luz

Um dos reguladores do ciclo circadiano é a luz, já que o corpo tem funções diferentes à noite e durante o dia. Portanto, o sol é um excelente indicador para o corpo que está na hora de acordar. “Abrir a janela de manhã como as avós ou seus pais faziam é uma excelente maneira de dizer para o organismo que já é dia”, pontua o médico do sono Lorenzi. E em dias nublados, mesmo a luz artificial pode ter esse efeito. “Depende, é claro, de sua intensidade”, reitera a pneumologista Sônia Togerio. Em vez de dormir com cortinas ou persianas, que bloqueiam totalmente a passagem da luz matutina, experimente deixar a janela do quarto liberada para a entrada do Sol antes mesmo de ir para a cama.

3. Relaxe antes de dormir

As vovós também viviam dizendo aos netos para pararem um pouco de brincar na hora de dormir. E, mais uma vez, elas estavam certas! “O mais indicado é não fazer atividades estimulantes, principalmente no caso dos adultos. Trabalhar, por exemplo, excita a mente, ainda mais ficar pensando no que precisa ser feito no dia seguinte”, argumenta a pneumologista Sônia. Ver televisão, navegar na internet, jogar videogame, tudo isso entra na lista de proibições. Mas não precisa parar de cumprir tudo isso assim que o sol se por. Basta separar uma hora para relaxar e ficar longe de tudo isso quando estiver próximo de dormir. Nessas horas, um livro ou uma música relaxante são ótimas pedidas.

4. Não fique enrolando na cama

“Cama é um lugar para dormir e fazer sexo, mais nada!”, sublinha o médico do sono Lorenzi. No máximo, fazer uma leitura, que é algo relaxante. Portanto, ao enrolar na cama, você tira a sensação que lá é um local de sono, o que pode dificultar a chegada do sono à noite. Seu organismo deve reconhecer que a cama é um local de repouso e relaxamento, portanto praticar atividades estimulantes como assistir televisão ou jogar videogame na cama também não são recomendadas. “Para quem tem insônia, por exemplo, ficar muito tempo na cama gera mais ansiedade”, lembra a pneumologista Sônia. A melhor forma de dizer para seu corpo que está na hora de acordar, é levantar logo, sem enrolações. Existem despertadores programados inclusive para que a pessoa seja obrigada a levantar, como o que solta três peças de quebra cabeça e só para de tocar quando todas são colocadas de volta ao lugar.

5. Resista ao botão soneca

Você pode achar que está enganando o despertador, mas é o seu corpo que é feito de bobo ao apertar o botão “soneca” do relógio. “Pode fazer mal, porque se tem um sono fracionado, que é de segunda qualidade, e acaba-se dizendo ao corpo que ele pode dormir assim, o que não é certo”, ensina Lorenzi. O ideal é acordar assim que o despertador toca, e não ficar barganhando mais uns minutinhos.

6. Tome cuidado com a atividade física

A atividade faz muito bem à saúde, e quando feita logo cedo, colabora para a disposição. “O nosso ciclo cicardiano está muito relacionado à temperatura do corpo, quando ele está frio, temos sono. A atividade física eleva o calor corporal, ajudando a despertar melhor”, explica Lorenzi. Por outro lado, fazer exercícios muito perto da hora de dormir tem o mesmo efeito, atrapalhando o sono. “O indicado é sempre fazer exercício três horas antes de dormir”, ensina Sônia.

7. Mantenha o olho vivo no cardápio

Os alimentos também influenciam no sono e sábio foi quem percebeu que o café ajuda a espantar a sonolência. A bebida é rica em cafeína, substância que é estimulante. “Alguns alimentos fontes desse micronutriente devem ser evitados à noite, como café, chá preto, chá verde e chocolate, que são estimulantes”, considera Lorenzi. Mas você pode consumi-los pela manhã, a cafeína melhora a memória, por exemplo. Só que o efeito pode não ser imediato. Um estudo feito no Instituto Federal Suíço de Tecnologia, em Zurique, verificou que pessoas que consumiam bebidas com o micronutriente tinham mais atenção e eficiência logo após a ingestão, além de um aumento no metabolismo. Além disso, pesquisas indicam que proteínas pela manhã podem aumentar características como atenção e memória logo cedo.

8. Dê mais atenção ao seu corpo

As pessoas têm uma determinação genética também sobre seus horários de dormir e acordar, são os cronotipos, que dividem as pessoas entre matutinos e vespertinos, além dos intermediários. Os primeiros tem uma tendência maior a dormir e acordar cedo, enquanto os últimos despertam e se deitam mais tarde. “A maior parte das pessoas é flexível, pode se habituar a acordar cedo”, ensina Lorenzi. Mas saber qual é sua tendência com certeza ajuda a conhecer melhor o próprio corpo. A dica do especialista é aproveitar as férias ou qualquer período sem obrigações de horários e perceber a que horas, sem a privação de sono, o corpo sente necessidade de dormir e acordar, e assim observar como o organismo se comporta. Ou faça o teste e descubra em qual período do dia a sua disposição é maior.

Além disso, existem os curto e longo dormidores, que precisam de menos ou mais tempo para dormir respectivamente. “Isso é muito individual, e pode variar também com a idade”, salienta Sônia. Mas, muitas vezes, a dificuldade em acordar cedo está justamente no fato da pessoa precisar dormir um pouco mais que a média. Nesses casos, oito horas não são suficientes e o saldo de sono sempre fica negativo.

9. Consulte um especialista

Se mesmo com todas essas dicas, está difícil conseguir acordar cedo e com disposição, talvez esteja na hora de buscar ajuda profissional. “Se isso atrapalha a vida da pessoa é importante orientação, até para tomar medicação, como suplementos de melatonina, hormônio ligado ao sono”, acredita Sônia.

(Minha Vida)

Qual o segredo da cidade onde se vive dez anos mais e melhor?

População de Loma Linda, na Califórnia, se beneficia de estilo de vida saudável de fieis adventistas que veem o corpo como um ‘templo do Espírito Santo’.

loma linda.jpg

Exercícios fazem parte da rotina dos moradores de Loma Linda (Foto: BBC)

Em meio a uma paisagem urbana cercada por fast foods e lojas de conveniência, uma cidade na Califórnia conseguiu manter bons hábitos alimentares e alcançar uma expectativa de vida dez anos mais alta que a média dos Estados Unidos.

Estudos mostraram que os habitantes de Loma Linda vivem até dez anos a mais do que a média dos americanos (79 anos) e chegam à idade avançada com uma saúde melhor.

É um fenômeno notável em um mundo onde o custo da crise de obesidade é reconhecido como sendo tão prejudicial quanto o de fumar ou dos conflitos armados.

A longevidade tem ligação com a religião da comunidade. Os adeptos da Igreja Adventista do Sétimo Dia compõem cerca de metade dos 24 mil habitantes do local. É uma comunidade cristã evangélica que segue diretrizes rigorosas sobre alimentação, exercício e descanso.

“Os dados são claros. Foram publicados e revisados”, diz Wayne Dysinger, presidente do Departamento de Medicina Preventiva da Escola de Medicina da Universidade de Loma Linda.

“Não há muita dúvida de que as pessoas que seguem este estilo de vida vivem mais tempo.”

‘Templo’ do corpo

Loma Linda – em espanhol, “colina linda”- fica 100 km a leste de Los Angeles. É conhecida como a meca da vida saudável há décadas.

A cidade foi adotada pelos fundadores da Igreja Adventista do Sétimo Dia, que na virada do século 20 compraram uma propriedade na área.

Ellen White, uma das líderes e pioneiras da Igreja, afirmou que se encantou com o charme do lugar.

Branca, pequena e com uma personalidade forte, ela inspirou os ensinamentos da Igreja [na verdade, DEUS que inspirou] sobre questões de dieta, exercício e estilo de vida. White alega que suas crenças são baseadas em experiências visionárias – sonhos e conversas com Deus.

“Ela classificou o tabaco como um veneno maligno e lento em 1864”, diz Richard Schaefer, historiador da biblioteca da universidade. Isso foi cem anos antes de a autoridade de saúde pública americana abordar o tema.

White, que tinha pouca educação formal, disse que o álcool danifica o cérebro. Ela também escreveu sobre os perigos de consumir muito sal.

“Os motivos disso eu não sei, mas repasso a vocês as instruções que me foram dadas”, disse a pioneira, parafraseada por Schaefer.

Os adventistas creem que sua longevidade esteja ligada ao respeito pelo corpo humano como um templo do Espírito Santo.

“Vocês têm o dever de reservar esse templo para o serviço de Deus, porque Ele nos fez”, explica o pastor aposentado Belgrove Josiah.

“Por causa desse princípio, estamos muito preocupados com o que colocamos em nossos corpos.”

“Não descartamos a ciência médica no geral, porque ela está muito relacionada com nos guiar sobre como tratamos nosso corpo”, acrescenta Josiah.

Descanso

O modo de vida adventista envolve uma dieta principalmente à base de vegetais, exercício regular e um compromisso com a celebração do sábado como o dia de descanso.

Um estudo de longo prazo que começou em 1976, envolvendo 34 mil membros da igreja, concluiu que seu estilo de vida acrescentava um número significativo de anos para a média de vida. Os pesquisadores identificaram “surpreendentes” efeitos protetores de uma dieta vegetariana.

“Quando olhamos apenas para a mortalidade, os adventistas parecem morrer das mesmas doenças, mas eles morrem muito mais velhos” diz Larry Beeson, professor de epidemiologia da Universidade de Loma Linda.

Beeson participa de pesquisas sobre adventistas por mais de 50 anos.

Ele argumenta que a boa saúde não se deve apenas à dieta. Para ele, o que ocorre é uma mistura complexa de religiosidade, espiritualidade e compreensão de uma pessoa de sua crença em Deus, combinado com outros componentes do estilo de vida, como exercícios e apoio social.

Betty Streifling, por exemplo, tem 101 anos e ainda levanta pesos na academia de sua casa de repouso. Streifling vive em seu próprio apartamento, uma casa aconchegante, cheia de recordações familiares e móveis feitos por seu falecido marido. Ela frequenta uma aula de exercícios cinco dias por semana e faz um passeio matinal na rua.

Ela atribui sua longevidade a “viver uma vida pura, sem álcool, sem tabaco, ir para a cama cedo, louvando a Deus por sua bondade e pela bênção da vida”.

Fast foods

É possível comprar um hambúrguer e batatas fritas em Loma Linda, mas no ano passado a prefeitura proibiu o funcionamento de novos “restaurantes de fast food com drive-through“. O movimento foi pensado para “proteger a saúde pública, segurança e bem-estar” de seus moradores.

Existem mercados de agricultores e lojas de alimentos saudáveis fazendo sucesso com nozes e vegetais.

O estilo de vida de Loma Linda parece dar uma receita promissora para o bem-estar. Não é para todos, e a maioria dos adventistas reconhece que há diferentes graus de observância às diretrizes alimentares e sociais definidas pela igreja.

Mas há pouca dúvida de que esta comunidade pode esperar viver muito mais tempo do que a maioria das outras pessoas.

(G1)

[Nota 1: Matéria fantástica! Testemunho espetacular! A mensagem de saúde é, como disse Ellen G. White, ” … uma cunha penetrante, que abre caminho para que outras verdades cheguem ao coração” (Mensageiros da Esperança, 134). Muitos conhecerão a Cristo através desses princípios. Como bem dito na matéria, não se trata apenas de alimentação, mas de um estilo de vida saudável: “Ar puro, luz solar, abstinência, repouso, exercício, regime conveniente, uso de água e confiança no poder divino – eis os verdadeiros remédios.” (A Ciência do Bom Viver, 127) Que tal vivermos mais esses princípios?

Nota 2: O SBT transmitiu uma matéria sobre os adventista em Loma Linda, veja o vídeo aqui. – IS]

Como dormir melhor

Algumas dicas valiosas de como dormir melhor:

dormir

  1. Faça com que seu quarto seja o Céu aqui na Terra: procure manter a bagunça e o caos do dia-a-dia fora dele. Texturas suaves e acolhedoras com uma iluminação também suave ajudam a transformar o ambiente. Além disso, se possível invista em um edredom e roupa de cama de qualidade: quanto mais confortáveis forem o seu quarto e a sua cama, maiores as chances de você ter uma noite de sono restauradora.
  2. Associe a cama ao sono: usar a cama para outras atividades que não seja um belo cochilo podem piorar suas crises de insônia. “A cama deve ser restrita ao sono e as atividades sexuais”, ressalta o médico do sono Inoue. Isso porque, quando seu cérebro entende que a cama é um local de dormir, fica mais fácil fazer com que o sono venha. Agora, se você costuma comer, usar o computador ou mesmo ler um livro na cama, a sonolência pode ser tornar mais difícil.
  3. Fique de olho no seu colchão: ele precisa ser substituído a cada 5 ou 7 anos. Se você está sentindo as molas do colchão e acaba “escorregando” para o meio dele sem querer, é hora de comprar um novo. Outro sinal de que o colchão é o culpado de tudo é se você consegue dormir bem em outra cama.
  4. Fique à vontade: tire qualquer acessório ou presilha do cabelo e vista roupas confortáveis, de preferência, pijamas de algodão.
  5. Evite dormir de costas: é difícil manter essa posição, a qual pode causar dores mais tarde. Mas se essa é a sua posição preferida, procure deixar um travesseiro embaixo do seu quadril ao invés de colocá-lo embaixo da cabeça.
  6. Tome um bom banho quente: a água quente ajuda a relaxar os músculos tensos, e a sensação de frescor após o banho aumenta ainda mais o bem-estar.
  7. Tenha horários regulares: um adulto precisa, em média, de 7 a 9 horas de descanso por noite e uma rotina que possibilite essa pausa faz toda diferença no dia seguinte. O ideal é ir dormir e acordar sempre na mesma hora, para que o corpo se adapte e não demore demais a desligar.
  8. Prepare o quarto: deixar o quarto escuro e silencioso ajuda bastante no relaxamento para ter uma noite tranquila. Se houver luz dentro do quarto, seja de uma TV, seja de um celular, o organismo entenderá que é dia e o cérebro poderá parar de produzir a melatonina, hormônio que controla o relógio biológico.
  9. Alimentação: o ideal é comer pelo menos 3 horas antes de ir deitar. A digestão é mais devagar à noite e um estômago cheio pode interromper o sono. Quanto mais pesada for à refeição, mais tempo o estômago vai levar para dar conta da sensação de peso e estufamento. Se o seu estômago está roncando e impedindo que você caia no sono, faça um lanche leve uma hora antes de deitar. Evite alimentos ricos em carboidratos ou açúcar. Prefira coisas leves como um iogurte, peito de peru, atum ou amendoim e leite quente – ambos contêm triptofano, uma substância que ajuda o corpo a produzir serotonina, substância que faz o corpo relaxar.
  10. Evite beber álcool ou produtos com cafeína antes de deitar: as bebidas cafeinadas, como o café, refrigerantes, achocolatados, chá preto e mate, e as alcoólicas atrapalham o sono e, por isso, não é recomendado o consumo antes de dormir. Além delas, comer demais ou ingerir alimentos pesados também pode prejudicar a qualidade do descanso.
  11. Bebidas que ajudam: o conselho da vovó de beber um chá pode muito bem estar certo. “Chás calmantes como a camomila, erva doce e cidreira contribuem para dormir melhor, pois ajudam no relaxamento”, considera o médico do sono Daniel Inoue. O leite morno pode ser uma pedida também, por conter triptofano, um aminoácido precursor da serotonina, mesmo que em quantidades pequenas. Uma boa dica para potencializar essas bebidas é incluir o mel. Alguns tipos desse doce, como o silvestre, o de flor de laranjeira e o assa-peixe tem propriedades calmantes e ajudam corpo e mente a relaxarem, de acordo com a nutricionista Thais Souza, da Rede Mundo Verde.
  12. Evite líquidos logo antes de dormir: pelo menos na última hora antes de ir deitar. Beber 2 litros de água durante o dia é o suficiente para manter o organismo bem hidratado. Beber bastante água durante o dia é importante, pois um corpo bem hidratado não vai despertá-lo por causa de sede no meio da noite. Mas um copo de água ao deitar vai fazer com que você tenha que levantar algumas horas mais tarde para uma “visita ao banheiro”. Deixe uma garrafinha com uma bebida ao alcance da mão caso você acorde com sede no meio da noite.
  13. Chega de TV, celular e computador na cama: se quiser ter um sono melhor, será preciso renunciar ao hábito de verificar as últimas novidades das redes sociais ou de assistir àquele filme na TV, pelo menos 30 minutos antes da hora programada para dormir. Esse tempo é necessário para que o corpo comece a relaxar e deixe o cansaço natural bater na hora certa.
  14. Cuidado com eletrônicos no quarto: isso vale para o uso de objetos eletrônicos no quarto, que são muito estimulantes. “Assistir filmes de ação, navegar pela internet, utilizar redes sociais ou mesmo jogos online, podem aumentar o grau de excitação e isso pode ser prejudicial ao sono”, considera Inoue. O ideal é que uma hora antes de dormir você se desconecte um pouco e relaxe. Para esse momento, vale diminuir a intensidade da luz, colocar uma música relaxante ou fazer uma leitura tranquila, nada que desperte muito a sua mente.
  15. Deixe seu celular no modo silencioso para não ser acordado com ele tocando ou por causa de novas mensagens. Assim você pode descansar em paz e usar o despertador do celular (que toca mesmo no modo silencioso).
  16. Dê uma folga ao computador. A internet fornece uma quantidade de informações novas sem fim, mantendo o seu cérebro constantemente estimulado. Sair do computador uma hora antes de ir deitar ajuda a aliviar esse efeito colateral.
  17. Faça atividades relaxantes antes de ir para a cama: depois de dar um tempo nos aparelhos tecnológicos, os 30 minutos antes de dormir devem ser dedicados ao relaxamento. Deixar a luz do ambiente mais baixa, ler algo agradável e leve, meditar ou tomar um banho são algumas atitudes que ajudam a dissipar a agitação do dia.
  18. Durante o dia, exercite-se e tenha uma boa alimentação: a médica Fernanda Haddad também recomenda fazer exercícios físicos com frequência, para gastar a energia do corpo e manter a saúde. Mas é importante saber que as atividades físicas devem ser feitas, idealmente, ao longo do dia, e não em horário próximo ao recolhimento, para que o corpo tenha tempo suficiente para se acalmar sem atrapalhar o sono.
  19. Controle o estresse: a rotina corrida traz, muitas vezes, não só o cansaço físico, mas também o estresse mental, mas é preciso ter plena consciência de que a sobrecarga do dia pode se refletir entre os lençóis, prejudicando o descanso. Para não deixar que isso aconteça, é necessário refletir bem sobre a própria vida e, se necessário, procurar um psicólogo ou psiquiatra que ajude a lidar com o problema.
  20. Treine a sua mente com uma rotina: depois de deitar e ficar à vontade na cama, pense na mesma coisa todas as noites. Pode ser uma música lenta e tranquila ou a vista de um lugar calmo e bonito. O importante é ter pensamentos que acalmem a mente e repeti-los toda noite.

Fontes: Exame.comMinha Vida, WikiHow